Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 20 de fevereiro de 2010

ESTUDO SOBRE O ARREPENDIMENTO NA BIBLIA



A CRIAÇÃO:

Deus sempre existiu e sempre existirá. O céu e a terra em toda a sua formosura e glória são criações de Deus. No principio, criou Deus os céus e a terra (Gênesis 1:1).

Deus criou também os peixes do mar, as aves que voam, o gado e todo o animal na terra (Gênesis 1:25). Após fazer isto. Deus decidiu fazer o homem e dar-lhe o domínio sobre toda a terra e sobre todas as coisas na terra (Gênesis 1:26). “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou: homem e mulher os criou” (Gênesis 1:27).

Deus chamou o homem. Adão, a quem Deus criou a sua imagem. Adão foi criado sem pecado, santo e puro. Ele possuía uma comunhão direta com Deus. Com efeito. Deus criou um jardim de formosura e esplendor, cheio de bons frutos, chamado Éden, e o deu a Adão, Era um jardim no qual Deus e Adão podiam caminhar, falar e ter comunhão. Tomou, pois, o SENHOR Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar. E o SENHOR Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás" (Gênesis 2:15-17).

Deus amava a Adão e sua esposa Eva, e queria que eles o amassem e o adorassem. Portanto, Deus não fez obrigatório amar e adorá-Lo. Ele criou o homem com o poder de escolher. O homem recebeu muito de Deus, do que aproveitou e se alegrou, mas Deus lhe pós uma restrição. Deus proibiu a Adão que comesse da árvore do conhecimento do bem e do mal. Com isto Deus estava provando o amor e a obediência do homem para com Ele.

SATANÁS:

Satanás é um ser maligno que se opõe a Deus. Uma vez ele serviu a Deus, como um anjo de grande beleza e poder. Aparentemente Deus elevou a Satanás a uma posição alta. Satanás, também chamado Lúcifer, tomou-se muito orgulhoso de sua oposição e quis exaltar-se para ser igual a Deus. Ele encabeçou uma rebelião de anjos contra Deus. Mas Deus sendo o poder fundamental do Satanás e os anjos que o seguiram foram lançados do céu. Deus preparou o inferno, um lugar de fogo eterno e tormento, para seu final (Isaias 14:12-15). Atualmente, Deus permite que Satanás tente o homem a pecar e servi-lo ao invés de servir a Deus.

A QUEDA DO HOMEM:

Satanás aproveitou sua primeira oportunidade que teve de tentar o homem, para que este desobedecesse a Deus, no Jardim do Éden. Satanás sendo muito astuto apareceu a Eva e mentiu-lhe. Disse-lhe que não morreria se comesse da única árvore que Deus lhes havia proibido (Gênesis 3:4). ''Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal." (Gênesis 3:5). Eva começou a observar o fruto. Ela viu que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento. ''Tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu' (Gênesis 3:6). O homem havia desobedecido a Deus, Criado sem pecado, ele havia caído em pecado.

CONSEQÜÊNCIAS DO PECADO:

As conseqüências da queda do homem foram muitas e de grande alcance. Deus repartiu o castigo. A mulher, prometeu dor e sofrimento ao dar a luz. Expulsou a Adão e Eva do formoso jardim do Éden. Disse a Adão, que ele teria que trabalhar e suar pelo seu alimento, todos os dias da sua vida. Deus amaldiçoou a terra, fazendo-a difícil de semear sem um grande esforço. O homem nunca mais poderia comer da árvore da vida que crescia no jardim do Éden e estava destinado a morrer, tal como Deus havia advertido (Gênesis 3:14-19).

A conseqüência mais notável da queda foi a mudança da natureza do homem. O homem, não mais sem pecado sofreu uma separação de Deus. Esta conseqüência não foi aplicada somente a Adão e Eva, mas a todos os seus descendentes. -- "Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram" (Romanos 5:1-3). "Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe" (Salmos 51:5). "Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus (Romanos 3:23). "Como esta escrito: Não há justo, nem um sequer" (Romanos 3:10).

Adão passou seus pecados a todos nós, já que descendemos de Adão e Eva. Todos nós herdamos uma natureza pecaminosa e nossas obras são do diabo (Satanás). "Aquele que pratica o pecado procede do diabo, (1 João 3:8). Portanto, enquanto permanecermos pecadores, nosso destino é o mesmo que o de Satanás. Qualquer pessoa que morre em seus pecados irá para o inferno e ali passará a eternidade com Satanás e os anjos decaídos.

Juntos eles serão atormentados eternamente em um lago de fogo e enxofre
(Apoc. 20:14; 21:8 ).

A POSSIBILIDADE DE EXPIAÇÃO:

Graças à misericórdia de Deus não é necessário morrer como pecador. Existe uma provisão para qualquer indivíduo que deseje ser redimido do pecado. Outra conseqüência da queda do homem no jardim do Éden lançou uma luz de esperança no caminho do homem: "porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar (Gênesis 3:15). Em outras palavras, Deus, falando a Satanás, profetizou sobre aquele que viria da semente da mulher. que feriria a cabeça de Satanás. Ele. ultima mente, conquistaria e destruiria as obras de Satanás. Satanás estava destinado para a derrota: a semente da mulher para a vitória.

Aquele de quem Deus falou em Gênesis 3:15 é Jesus Cristo; uma semente especial da mulher, que não herdou o pecado de Adão porque Seu Pai não foi um homem. Sua mãe, uma virgem chamada Maria. Lhe concebeu como resultado do Espírito Santo de Deus que veio sobre ela (Mateus 1:18). Um anjo ordenou que o Seu nome fosse chamado Jesus porque Ele salva ria o Seu povo dos pecados deles (Mateus 1:21). Este Jesus foi a semente prometida em Gênesis 3:15. Seu Pai foi o Espírito Santo, Sua mãe foi uma virgem. Seu nascimento milagroso serviu como uma advertência a Satanás das coisas vindouras.

"E crescia Jesus em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens" (Lucas 2:52). Com a idade de trinta anos, Jesus começou o seu ministério público. Durante seu ministério Jesus realizou muitos milagres. Ele fez o coxo caminhar, o cego ver, o surdo ouvir, e ainda os mortos ressuscitarem pela Sua ordem. Sua vida serve como exemplo para todos nós. Ele sempre falou a verdade, fez a vontade de Deus, e, sobretudo Jesus nunca pecou.
Enquanto Jesus ainda estava no apogeu de Sua vida natural, os chamados líderes religiosos de Seus dias conspiraram Sua crucificação na cruz cruel do Calvário. Eles lhe espancaram e açoitaram Suas costas sem piedade. Uma coroa de espinhos foi posta sobre Sua cabeça. Os soldados cruéis arrancavam a barba de Seu rosto. Sangue e água saíram do Seu lado, quando o soldado o transpassou com sua espada.

Tudo isto foi feito a um homem que nunca fez mal a ninguém; o único homem completamente sem pecado, que jamais existiu. Ainda, Jesus teve a morte menos humana que eles poderiam imaginar para Ele, E ainda antes dele morrer Ele disse: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem" (Lucas 23:34). Realmente, Ele era Deus manifestado em carne (1 Timóteo 3:16). Ele confirmou isto quando três dias após ser crucificado e sepultado, levantou-se do sepulcro.

É através da morte voluntária Daquele sem pecado, de Sua sepultura e ressurreição subseqüentes que nos podemos ser aliviados de nossos pecados e suas conseqüências. Temos agora, a opção de escolher entre permanecer cativos do pecado ou viver uma vida transformada como servo de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Isto só é possível porque o pecado e a morte não têm poder sobre o Filho de Deus (I Coríntios 15:14-15).

A morte cruel de Jesus foi uma morte de substituição. O pecado demanda a morte. Deus disse a Adão e Eva que eles morreriam se comessem da árvore. A morte ainda permanece como conseqüência do pecado, entretanto, ao aceitar o supremo sacrifício de Jesus na cruz por nos pecados, podemos receber a remissão de pecados.

"Sem derramamento de sangue, não há remissão" (Hebreus 9:22). O derramamento de sangue é o símbolo da morte a qual é o salário do pecado (Romanos 6:23 ).

Nosso sangue não precisa ser derramado e não temos que morrer porque o sangue sem pecado e a morte de Jesus foram eficazes para todos os nossos pecados. "Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós: para que nele, fossemos feitos justiça de Deus" (I Coríntios 5:21). Jesus sendo sem pecado, foi o sacrifício perfeito pelo pecado, e jamais será necessário outro sacrifício (Hebreus 10: 12-14).

Se o homem arrepender-se dos seus pecados, eles lhe serão perdoados e lavados pelo sangue de Jesus Cristo. Através do sangue de Jesus há remissão de pecados (Efésios 1:7; Colossenses 1:14). Com efeito, foi com este propósito que Jesus Cristo, Deus manifestado em carne, veio a este mundo e morreu na cruz do Calvário. Deus lhe predestinou antes da fundação do mundo para ser o sacrifício perfeito, sem mácula, por nossos pecados (1 Pedro 1:18-21). Deus sendo onisciente, sabendo todas as coisas, sabia que o homem cairia em pecado. Mas Ele tinha um plano para redimir o homem do pecado e Ele pôs seu plano em andamento. Tudo o que o homem precisa fazer é aproveitar a obra que Cristo realizou na cruz do Calvário.



TODO O HOMEM DEVE ARREPENDER-SE:

"Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam" (Atos 17:30).

Até este ponto, temos tratado:
(1) como todos os homens nascem pecadores devido as conseqüências da queda de Adão;
(2) como o homem é destinado ao inferno, a menos que ele possa ser afastado do salário do pecado (morte e castigo eterno no inferno);
(3) Como a morte do Filho de Deus, Jesus Cristo, na cruz, fez provisão para a possível eliminação dos pecados de um indivíduo. Agora devemos tratar dessa pergunta tão importante: "Como posso eu, um pecador, aproveitar a obra de Jesus Cristo no Calvário?”

Em resumo, um homem deve converter-se de seu caminho de pecado, arrepender-se e vir a Jesus, isto sucede quando ele é atraído por Deus, pois nenhum homem vem a Jesus, a menos que seja atraído por Deus (João 6:44). Visto que Deus não quer que o homem pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento (II Pedro 3:9; João 3:16), cada um, alguma vez, durante a sua vida é atraído a Deus de alguma forma. O homem faz sua própria escolha: seja a de submeter-se ao poder atraente de Deus e alcançar a salvação, ou rejeitá-lo e continuar em seus pecados. Rejeitar a salvação é coisa perigosa porque nunca se sabe quando se terá outra oportunidade. Submeter-se à chamada de Deus é a chave para vida eterna.

Quando uma pessoa vem a Jesus, deve vir com fé. De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus, creia que Ele existe e que se torna galardoador dos que O buscam (Hebreus 11:6). Esta fé essencial sem dúvida, é inata em cada homem. A Palavra de Deus nos diz, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um (Romanos 12:3). Toda pessoa tem que exercitar sua fé e arrepender-se ao ser atraída por Deus.

Para que o homem receba o dom de Deus, a vida eterna, ele precisa arrepender-se. A mensagem de arrependimento aparece repetidamente em toda a Bíblia. Jonas pregou o arrependimento a Nínive e o seu arrependimento impediu que o juízo de Deus viesse sobre eles (Jonas 3:10) Deus enviou João Batista como o precursor de Jesus Cristo para pregar: Arrependei-vos, porque está próximo o Reino dos Céus (Mateus 3:2), Jesus disse que veio para chamar aos pecadores ao arrependimento (Mateus 9:13). Ele advertiu a certos judeus, dizendo: "Se, porém, não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis" (Lucas 13:3). Jesus advertiu quando ordenou aos seus seguidores, os discípulos, com o seguinte mandamento, "E que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém (Lucas 24:47).

Os discípulos de Jesus foram a toda parte pregando o arrependimento. Respondeu-hes Pedro:
"Arrependei- vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo" (Atos 2:38). Paulo pregou aos atenienses: "Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém , notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam" (Atos 17:30). O mandamento é positivo, a responsabilidade segura, para alcançar a salvação, o homem tem que se arrepender, do contrário morrerá.


O QUE É ARREPENDIMENTO?

"O arrependimento é um dom de Deus trazido a nós por sua bondade" (Romanos 2:4). O homem decide em seu coração deixar o pecado e dedicar-se à transformação de sua vida. Ao dar-se conta de que é um pecador distanciado de Deus, o pecador sente uma grande tristeza por seus pecados. Porque a tristeza, segundo Deus, produz arrependimento para a salvação (1 Coríntios 7:10). Logo ele confessa seus pecados a Deus e pede o seu perdão. Ele promete em sua mente que com a ajuda de Deus, deixará de cometer o pecado. Esforçar-se-á em não mais desobedecer aos mandamentos de Deus, e viverá em obediência à Palavra de Deus.

Davi, um rei do Antigo Testamento, um homem que agradava a Deus, sabia o que era o arrependimento. Falando sobre isto, Davi escreveu: "Confesso a minha iniqüidade; suporto tristeza por causa do meu pecado" (Salmo 38:18) . “... coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus" (Salmo 51:17). Jesus usou o exemplo de um publicano que batia em seu peito e dizia: "Ó Deus, sê propício a mim, pecador!" (Lucas 18:13), como o homem que foi justificado devido ao seu arrependimento. O arrependimento representa uma verdadeira e apropriada mudança de propósito do pecado a Deus.

Em resumo, arrependimento verdadeiro é:
(1) Reconhecer, mediante o poder persuasivo de Deus, que você é um pecador
(2) Decidir em seu coração que você já não quer mais ser um pecador;
(3) Confessar seu pecado a Deus e pedir-lhe que seja misericordioso e o perdoe;
(4) Morrer para o pecado, dando-lhe as costas com a intenção de viver para Deus, e nunca regressar aos velhos caminhos pecaminosos. "De nodo nenhum! Como viveremos RESULTADOS DO ARREPENDIMENTO:

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1:9). Deus, sendo um Deus de amor, enviou Seu Filho para morrer na cruz do Calvário e assim, fazer possível o arrependimento. Ele quer que o homem se arrependa. Pois, quando uma pessoa se arrepende. Ele se alegra e está disposto a perdoar os seus pecados. "Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento (Lucas 15:7).

O verdadeiro arrependimento traz a misericórdia de Deus e o perdão. O arrependimento também qualifica o homem para o batismo em nome do Senhor Jesus para que seus pecados sejam perdoados (Atos 2:38). Um homem arrependido não somente é qualificado mas obrigado a dar esse passo. É um mandamento de Deus (Atos 10:33-48), e se um homem arrependeu-se verdadeiramente, ele fica comprometido a obedecer aos mandamentos de Deus. Junto com o batismo em o nome de Jesus para remissão dos pecados o indivíduo arrependido recebe a promessa do dom do Espírito Santo, acompanhado pela promessa de vida eterna.

O arrependimento é um privilégio disponível a todos, que deveria ser desejado por todos, e hoje é o dia em que se deve aproveitá-lo. "Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação" (II Coríntios 6:2).

RESULTADOS DO ARREPENDIMENTO:

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1:9). Deus, sendo um Deus de amor, enviou Seu Filho para morrer na cruz do Calvário e assim, fazer possível o arrependimento. Ele quer que o homem se arrependa. Pois, quando uma pessoa se arrepende. Ele se alegra e está disposto a perdoar os seus pecados. "Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento (Lucas 15:7).

O verdadeiro arrependimento traz a misericórdia de Deus e o perdão. O arrependimento também qualifica o homem para o batismo em nome do Senhor Jesus para que seus pecados sejam perdoados (Atos 2:38). Um homem arrependido não somente é qualificado mas obrigado a dar esse passo. É um mandamento de Deus (Atos 10:33-48), e se um homem arrependeu-se verdadeiramente, ele fica comprometido a obedecer aos mandamentos de Deus. Junto com o batismo em o nome de Jesus para remissão dos pecados o indivíduo arrependido recebe a promessa do dom do Espírito Santo, acompanhado pela promessa de vida eterna.

O arrependimento é um privilégio disponível a todos, que deveria ser desejado por todos, e hoje é o dia em que se deve aproveitá-lo. "Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação" (II Coríntios 6:2).

ARREPENDIMENTO

RESULTADOS DO ARREPENDIMENTO:

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1:9). Deus, sendo um Deus de amor, enviou Seu Filho para morrer na cruz do Calvário e assim, fazer possível o arrependimento. Ele quer que o homem se arrependa. Pois, quando uma pessoa se arrepende. Ele se alegra e está disposto a perdoar os seus pecados. "Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento (Lucas 15:7).

O verdadeiro arrependimento traz a misericórdia de Deus e o perdão. O arrependimento também qualifica o homem para o batismo em nome do Senhor Jesus para que seus pecados sejam perdoados (Atos 2:38). Um homem arrependido não somente é qualificado mas obrigado a dar esse passo. É um mandamento de Deus (Atos 10:33-48), e se um RESULTADOS DO ARREPENDIMENTO:

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1:9). Deus, sendo um Deus de amor, enviou Seu Filho para morrer na cruz do Calvário e assim, fazer possível o arrependimento. Ele quer que o homem se arrependa. Pois, quando uma pessoa se arrepende. Ele se alegra e está disposto a perdoar os seus pecados. "Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento (Lucas 15:7).

O verdadeiro arrependimento traz a misericórdia de Deus e o perdão. O arrependimento também qualifica o homem para o batismo em nome do Senhor Jesus para que seus pecados sejam perdoados (Atos 2:38). Um homem arrependido não somente é qualificado mas obrigado a dar esse passo. É um mandamento de Deus (Atos 10:33-48), e se um homem arrependeu-se verdadeiramente, ele fica comprometido a obedecer aos mandamentos de Deus. Junto com o batismo em o nome de Jesus para remissão dos pecados o indivíduo arrependido recebe a promessa do dom do Espírito Santo, acompanhado pela promessa de vida eterna.

O arrependimento é um privilégio disponível a todos, que deveria ser desejado por todos, e hoje é o dia em que se deve aproveitá-lo. "Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação" (II Coríntios 6:2).



homem arrependeu-se verdadeiramente, ele fica comprometido a obedecer aos mandamentos de Deus. Junto com o batismo em o nome de Jesus para remissão dos pecados o indivíduo arrependido recebe a promessa do dom do Espírito Santo, acompanhado pela promessa de vida eterna.

O arrependimento é um privilégio disponível a todos, que deveria ser desejado por todos, e hoje é o dia em que se deve aproveitá-lo. "Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação" (II Coríntios 6:2).

RESULTADOS DO ARREPENDIMENTO:

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1:9). Deus, sendo um Deus de amor, enviou Seu Filho para morrer na cruz do Calvário e assim, fazer possível o arrependimento. Ele quer que o homem se arrependa. Pois, quando uma pessoa se arrepende. Ele se alegra e está disposto a perdoar os seus pecados. "Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento (Lucas 15:7).

O verdadeiro arrependimento traz a misericórdia de Deus e o perdão. O arrependimento também qualifica o homem para o batismo em nome do Senhor Jesus para que seus pecados sejam perdoados (Atos 2:38). Um homem arrependido não somente é qualificado mas obrigado a dar esse passo. É um mandamento de Deus (Atos 10:33-48), e se um homem arrependeu-se verdadeiramente, ele fica comprometido a obedecer aos mandamentos de Deus. Junto com o batismo em o nome de Jesus para remissão dos pecados o indivíduo arrependido recebe a promessa do dom do Espírito Santo, acompanhado pela promessa de vida eterna.

O arrependimento é um privilégio disponível a todos, que deveria ser desejado por todos, e hoje é o dia em que se deve aproveitá-lo. "Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação" (II Coríntios 6:2).




terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Sermão do Monte


1 Jesus, pois, vendo as multidões, subiu ao monte; e, tendo se assentado, aproximaram-se os seus discípulos,


2 e ele se pôs a ensiná-los, dizendo:


3 Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.



4 Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados.


5 Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra.


6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque eles serão fartos.


7 Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia.

8 Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus.


9 Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus.


10 Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.


11 Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguiram e, mentindo, disserem todo mal contra vós por minha causa.


12 Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram aos profetas que foram antes de vós.


13 Vós sois o sal da terra; mas se o sal se tornar insípido, com que se há de restaurar-lhe o sabor? para nada mais presta, senão para ser lançado fora, e ser pisado pelos homens.


14 Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte;


15 nem os que acendem uma candeia a colocam debaixo do alqueire, mas no velador, e assim ilumina a todos que estão na casa.


16 Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.


17 Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir.


18 Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido.


19 Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus.


20 Pois eu vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.


21 Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e, Quem matar será réu de juízo.


22 Eu, porém, vos digo que todo aquele que se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e quem disser a seu irmão: Raca, será réu diante do sinédrio; e quem lhe disser: Tolo, será réu do fogo do inferno.


23 Portanto, se estiveres apresentando a tua oferta no altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,


24 deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai conciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem apresentar a tua oferta.


25 Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele; para que não aconteça que o adversário te entregue ao guarda, e sejas lançado na prisão.


26 Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil.


27 Ouvistes que foi dito: Não adulterarás.


28 Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.


29 Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno.


30 E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que vá todo o teu corpo para o inferno.


31 Também foi dito: Quem repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio.


32 Eu, porém, vos digo que todo aquele que repudia sua mulher, a não ser por causa de infidelidade, a faz adúltera; e quem casar com a repudiada, comete adultério.


33 Outrossim, ouvistes que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás para com o Senhor os teus juramentos.


34 Eu, porém, vos digo que de maneira nenhuma jureis; nem pelo céu, porque é o trono de Deus;


35 nem pela terra, porque é o escabelo de seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei;


36 nem jures pela tua cabeça, porque não podes tornar um só cabelo branco ou preto.


37 Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; não, não; pois o que passa daí, vem do Maligno.


38 Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente.


39 Eu, porém, vos digo que não resistais ao homem mau; mas a qualquer que te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;


40 e ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;


41 e, se qualquer te obrigar a caminhar mil passos, vai com ele dois mil.


42 Dá a quem te pedir, e não voltes as costas ao que quiser que lhe emprestes.


43 Ouvistes que foi dito: Amarás ao teu próximo, e odiarás ao teu inimigo.


44 Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem;


45 para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.


46 Pois, se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? não fazem os publicanos também o mesmo?


47 E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis demais? não fazem os gentios também o mesmo?


48 Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial. (lucas:6.20)

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

As Bem -aventuranças





A promessa de alegria aos pobres é plenamente compreensível, mas o que entender do qualificativo adicionado ao substantivo pobre? “Bem-aventurados os pobres de espírito...”. Quem são os pobres de espírito?

Jesus estava rodeado de pobres de várias cidades circunvizinhas. Se a mensagem fosse somente: ‘bem-aventurados os pobres’, ela seria aceita e ovacionada pela multidão! Jesus teria conquistado os seus ouvintes e mais seguidores. Mas, como um povo que professava 'a melhor' religião, com princípios éticos e morais intocáveis e que se consideravam filhos de Abraão poderia aceitar ou reconhecer ser um ‘pobre de espírito’?

Como alguém observador da lei reconheceria a condição de pobreza espiritual?

No Antigo Testamento não consta o conceito ‘pobre de espírito’. Mas, Aquele que representava uma esperança de mudança na condição do povo, apresenta um novo conceito e uma necessidade de reconhecer uma condição que caracteriza os pecadores ou os incircuncisos. Como um filho de Abraão poderia reconhecer que era pobre de espírito?

Jesus completou a frase: “...porque deles é o reino dos céus”. Muitos se perguntaram: De quem é o reino dos céus? Dos pobres de espírito?

Além do mais, o povo estava a procura de curas, de pães, de peixes, de um reino terreno, mas Jesus estava falando de um outro reino: do reino dos céus!

Onde fica este reino? O que é o reino dos céus?

Para responder essas perguntas devemos observar a mensagem que foi anunciada desde o nascimento de Cristo: “E, naqueles dias, apareceu João batista pregando no deserto da Judéia, e dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus” Mt 3: 1- 2; “Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus” Mt 4: 17.

Verifica-se que o reino dos céus diz da pessoa de Cristo, como profetizou Isaias e reafirmou João Batista: “Porque este é o anunciado pelo profeta Isaias, que disse: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas” Mt 3. 3.

Quando Jesus disse: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus”, Ele não estava denunciando a moral do povo. Ele não estava apregoando um reino humano Jo 18. 36. Também não estava em busca de uma melhoria na condição socioeconômica do povo Jo 12. 8. Antes Jesus estava se apresentando ao povo por parábolas.

Com a sua mensagem, Jesus expôs ao povo que Ele é o acesso ao reino dos céus, e que todos aqueles que reconhecessem que eram pobres de espírito, estes seriam bem-aventurados. Aqueles que reconhecessem a precária condição espiritual que se encontravam, a estes pertenciam o reino dos céus, que é Cristo. Eles precisavam reconhecer que eram necessitados espiritualmente.

Enquanto queriam pão, Jesus estava apresentado o pão vivo que desceu dos céus. Enquanto buscavam um reino, Jesus estava lhes abrindo a porta do reino dos céus. A relutância em aceitar a condição de necessitados espiritualmente persistiu até mesmo entre os discípulos que criam nele: "Responderam eles (os judeus que criam nele): somos descendentes de Abraão, e jamais fomos escravos de ninguém" João 8: 31- 33.

Eles acreditavam estar abastados espiritualmente por serem descendentes de Abraão. Ao se auto proclamarem como filhos de Abraão, os judeus estavam cônscios de que eram filhos de Deus Jo 8: 41. Ser filho de Abraão para eles era o mesmo que ter a filiação divina. Por isso João Batista disse que das pedras Deus poderia fazer filhos para si. Em razão desta crença os judeus não admitiam que eram escravos de ninguém, uma vez que se admitissem ser escravos, era o mesmo que admitir que alguém havia conquistado o próprio Deus João 8: 33.


Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;

O sermão prossegue: “Bem-aventurados OS QUE CHORAM...”. A bem-aventurança depende da emoção humana? O choro como conseqüência direta de uma emoção humana concede o favor de ser consolado?

Não! A idéia apresentada neste versículo complementa a anterior.

O choro denota a condição de impotência frente a questões impossíveis. Após reconhecer a condição de miserabilidade espiritual, a reação do homem é o choro.

A única ação de um miserável é o choro, e estes serão consolados!

Para que o abatido seja consolado, é preciso que habite com alguém que lhe arranque da miséria: “Porque assim diz o Alto e o Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é Santo: Num alto e santo lugar habito; como também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e para vivificar o coração dos contritos” Is 57: 15; Sl 51: 17 .

Compare:

“Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus” Mt 5: 3.

“...como também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e para vivificar o coração dos contritos” Is 57: 15.

O salmista quando pedia perdão ao Senhor disse: "Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto" Sl 51: 10.

Quem haveria de consolar os que choram? Os que choram serão consolados por Aquele que tem o reino dos céus. É Ele que enxugará todas as lágrimas!

A resposta está em Isaias: “O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes” Is 61: 1- 2.


Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;


A mensagem de Jesus possivelmente formou um impasse na mente dos ouvintes: Moisés, o homem mais manso da terra não conseguiu herdar a terra, como herdar a terra se os ouvintes não se consideravam maiores que Moisés “E era o homem Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra” Nm 12: 3.

Se Moisés, considerado um dos homens mais manso da terra, não conseguiu herdar a terra, qual a intenção de Jesus ao declarar que os mansos são felizes?

Mas a pergunta persiste: Quem são os mansos? Qual é a terra a se herdar?

“E os mansos terão gozo sobre gozo no SENHOR; e os necessitados entre os homens se alegrarão no Santo de Israel” Is 29: 19.
“Os mansos comerão e se fartarão; louvarão ao SENHOR os que o buscam; o vosso coração viverá eternamente” Sl 22: 26.
“Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundancia de paz” Sl 37: 11.

À exemplo do Antigo Testamento as bem-aventuranças decorre do Senhor de Israel, mas, como alcançar tamanha alegria e ainda herdar a terra? E qual terra?

Jesus é a resposta: “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas” Mt 11: 29.

“Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;”

“....aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas”

Observe a relação entre os dois versículos: aqueles que se deixarem instruir por Jesus, o Mestre por excelência, estes serão felizes por alcançar o prometido, descanso para as almas. Estes serão bem-aventurados por alcançar o prometido: a promessa de herdar a terra equivale ao descanso para a alma para aqueles que se deixarem instruir.

Quando Jesus falou ‘bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra’, não foi com o intuito de concitar os ouvintes a que tivessem uma personalidade semelhante ou superior a de Moisés.

A mansidão que Jesus faz referência não é comportamental, antes é a mansidão vinculada ao coração, ou a nova natureza do homem. Após o homem aprender de Jesus haverá uma transformação na natureza do homem, e estes receberão a plenitude de Cristo, e serão semelhantes a Ele: mansos e humildes de coração Cl 2: 10.

Quando Jesus afirmou que os mansos herdarão a terra, Ele não fez referência a elementos deste mundo, mas ao descanso preparado por Deus. A 'terra' representa um lugar de descanso que Deus preparou para os que aprenderem daquele que é por excelência manso de coração "Ora, nós, os que temos crido, entramos no descanso..." Hb 4: 3- 10.

A terra prometida no Antigo Testamento estava atrelada a idéia de descanso, e no Novo Testamento a referência a terra diz de coisas melhores: do descanso de Deus. Aqueles que aprenderem com Cristo, estes terão descanso para as suas almas.

Aquele que encontra descanso para a sua alma em Cristo não receberá como herança um torrão de terra, antes será herdeiro de novos céus e nova terra “Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça” II Pe 3: 13 .

O apóstolo Pedro ao referir-se aos mansos de coração, não fala do homem natural, mas daquele homem que não conseguimos visualizar, aquele ‘encoberto no coração’, do homem regenerado, que possui um incorruptível traje de um espírito manso e quieto “Mas o homem encoberto no coração; no incorruptível traje de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus” I Pe 3: 4.

O que é precioso diante de Deus? O que possui valor para com Deus? Segundo o apóstolo Paulo o que tem valor, o que tem virtude diante de Deus, é o ser uma nova Criatura: “Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor” Gl 5. 6; “Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão, nem a incircuncisão tem virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura” Gl 6: 15.

Como a fé 'vem pelo ouvir', e o 'ouvir pela palavra de Deus', quando Jesus diz que devemos aprender dele, é porque o seu ensino produz fé que faz os seus ouvintes alcançar uma nova vida com direito a ser herdeiro com Cristo. Como Cristo descansou de suas obras, como herdeiros de Deus, os de novo gerado alcançam a bem-aventurança.

Através da regeneração o homem adquire a natureza de Cristo, ou seja, é gerado segundo Deus um novo homem em verdadeira justiça e santidade, características pertinentes a pessoa de Cristo. Somente através do novo nascimento o homem torna-se humilde e manso de coração.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;


Percebe-se que Jesus não estava se referindo à justiça que é administrada nos tribunais dos homens! A abordagem de Jesus em momento algum teve objetivos político. Jesus não estava preocupado com os problemas atrelados as injustiças sociais. Jesus não estava promovendo mais uma obra de caridade.

Em momento algum Jesus expôs os princípios anunciados pela teologia da libertação em que a prática de justiça esteja atrelada a transformações de ordem econômicas, social e políticas. Em momento algum Jesus demonstra que a bem-aventurança dependa de transformações sociais ou que se fundamenta nas relações sociais.

Jesus não estava promovendo diretamente a prática da fraternidade, o equilíbrio nas relações no exercício do poder ou incentivando a partilha de bens no intuito de equilibrar a distribuição de riquezas.

Não! O sermão do monte trata de questões eminentemente espirituais.

Se Jesus estivesse promovendo a solidariedade humana como requisito para se alcançar a verdadeira alegria, ele não teria protocolado um veemente protesto aos seus ouvintes: “Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus” Mt 5: 20.

Você já observou o conceito dos fariseus e dos escribas frente a multidão? Para o povo os fariseus e os escribas eram o que a sociedade tinha de melhor. Porém, a análise de Cristo é diferente: “Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade” Mt 23: 28.

Os religiosos pareciam justos, mas a natureza deles era incompatível com a divina: estavam plenos de iniqüidade.

Como seria possível as obras dos ouvintes de Jesus alcançar uma posição maior em relação aos fariseus e saduceus? Como entender o ter fome e sede de justiça? Onde os ouvintes de Jesus encontrariam fartura de justiça?

Se conseguirmos responder a estas perguntas, estaremos bem próximo de entender todos os conceitos apresentados por Jesus no sermão do monte.